thumb_site

o terceiro mundo pede a bênção e vai dormir

Exposição atual
31.05.2017 - 21.06.2017

Os cinquenta anos que separam 1967 de 2017 pairam sobre a cultura brasileira como uma nuvem espessa e opaca. A passagem das cinco décadas é lembrada a partir de “Tropicália”, o penetrável de Hélio Oiticica exibido pela primeira vez na exposição “Nova Objetividade Brasileira”, no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro. Desde então, são múltiplas as narrativas que se propõem a dar conta do explosivo momento tropicalista. Entretanto, o ismo que acompanha (e asfixia?) os trópicos talvez nunca tenha imaginado sua alçada e longevidade, cercado por celebrações que oscilam entre a rememoração vazia e a reflexão crítica anêmica.

À luz do panorama político atual, “o terceiro mundo pede a bênção e vai dormir” se divide entre obras e registros históricos que tenham passado ao largo de uma narrativa canônica do movimento e obras contemporâneas que desafiam e propõem novas conversas sobre os signos da tropicalidade, antropofagia e subdesenvolvimento, em suas diversas manifestações e flexões analíticas.

Obras e registros de
Ana Matheus Abbade
André Parente
Bárbara Wagner
Cristiano Lenhardt
Daniel Lie
Dominique Gonzalez-Foerster
Guerreiro do Divino Amor
Guga Ferraz
Hélio Oiticica
José Agrippino de Paula
Priscila Fiszman
Raphael Tepedino
Rogerio Sganzerla
Traplev
Vivian Caccuri
Walter Smetak

Curadoria
Victor Gorgulho
 
Assistente de curadoria
Guilherme Marcondes
 
Design Gráfico
Fernanda Guizan
 
Montagem
Alexandre Rodolfo de Oliveira
 
Colaboração de montagem
Felipe Abdala
Iabah Bahia
Lucas Canavarro
 
Crédito da imagem
Cristiano Lenhardt
Guaracys, 2016
super 8, 10′

Serviço
“o terceiro mundo pede a bênção e vai dormir”
 Abertura: 31 de maio, quarta-feira, às 19 horas
Exposição continua até 21 de junho
Horário de visitação: de terça a sexta-feira, das 11 às 19 horas.

Local: Despina | Largo das Artes
Rua Luis de Camões, 2 – Sobrado
Centro – Rio de Janeiro, RJ
Entrada gratuita