Lorna Bauer

Lorna Bauer

Artistas em residência
01.11.2017 - 30.11.2017

Nascida em Toronto, vive e trabalha em Montreal (Canadá). Recentemente, apresentou seu trabalho no The Loon, Toronto; Galeria CK2, Nova York; The Darling Foundry, Montreal; Model Projects, Vancouver; no Musée d’Art Contemporain de Montréal, entre outros espaços. Já participou de inúmeras residências nacionais e internacionais, incluindo estadias no The Couvent des Récollets, Paris; Residência Quebec-Nova Iorque (financiada pelo Conselho das Artes e Letras do Québec); o Banff Center, Alberta e o Atlantic Center for the Arts, na Flórida (trabalhando com o artista Josiah McElheny). Também é responsável pela gestão do espaço L’escalier (juntamente com os artistas Jon Knowles e Vincent Bonin), localizado em Montreal.

Sua prática artística transita pela fotografia, instalação e, mais recentemente, pela utilização de materiais como vidro e bronze. Sua linguagem formal e uso de materiais aludem a idéias desenvolvidas através do planejamento urbano e da teoria urbana. Seu trabalho está centrado em exemplos específicos de arquitetura, planejamento urbano e psicopatologias do século XX.

Os projetos de Bauer geralmente são caracterizados como relacionados ao espaço, levando a um resultado final que respondeu a um local e contexto específicos. Seus interesses são amplos e variam de tópicos que vão da planta urbana da cidade de Paris – em particular as velhas arcadas e o cultivo subterrâneo de cogumelos nas catacumbas parisienses -, “Haussmannização”, jardins utópicos da costa oeste norte-americana dos anos 70 até as cartas de Walter Benjamin para o amante, descrevendo a ilha de Ibiza durante seu exílio. Todos esses projetos tratam de espaços e a maneira com que eles moldam as percepções individuais e a correlação entre o ambiente natural e o ambiente construído.

O centro de arte contemporânea Diagonale e o Conseil des arts de Montréal, em parceria com a Despina,  contemplaram Bauer com uma bolsa integral para participar do nosso programa de residências. No Rio de Janeiro, a artista pretende pesquisar e fotografar a paisagem urbana da cidade e como esta se cruza e se encaixa no ambiente natural exuberante, que inclui as florestas tropicais. Em particular, a artista irá concentrar a sua pesquisa em um dos mais proeminentes nomes da arquitetura paisagística do Brasil, Roberto Burle-Marx (e seus contemporâneos). A filosofia de Burle-Marx é contígua a dos modernistas canadenses, Arthur Erickson e Cornelia Oberlander, ambos já pesquisados pela artista em projetos passados. Todos esses visionários do design paisagístico utilizaram plantas nativas e materiais naturais locais, o que é revelado na continuidade entre espaços construídos e naturais, na atenção plena sobre como nos movemos pelo espaço e no interesse peculiar por reflexo e materiais que refletem. Tendo como ponto de partida seus projetos anteriores, Bauer deseja examinar assuntos relacionados ao desenvolvimento urbano e renovação urbana e, em última análise, questionar sobre o que escolhemos construir ou destruir em nosso ambiente local (tanto natural quanto artificial) e como isso pode refletir na nossa ideologia e no inconsciente coletivo.

Mais informações
www.lornabauer.com

Galeria de fotos
(por Frederico Pellachin)

partners_romeo_vsfinal