thumb_talk

Conversa com Nina Wöhlk e Matthieu Laurette

Acontece
Terça, 30.01.2018

Na próxima terça-feira, dia 30 de janeiro, abrimos nossa nova sede para o primeiro evento público do ano, uma noite de conversas com a curadora dinamarquesa Nina Wöhlk e o artista francês Matthieu Laurette, com mediação do curador Pablo Leon de la Barra.

Wöhlk irá apresentar alguns processos investigativos que empreendeu durante a sua residência na Despina neste mês de janeiro. Através de observações em torno da fabulação especulativa – o relato de novas his(es)tórias como um método artístico -, ela expõe o seu interesse no conceito de “string-figures” de Donna Haraway e a sua relação com a literatura de cordel brasileira – histórias “enfileiradas” e a sua potência como gênero literário. Serão pontuadas aqui referências à escritora e artista dinamarquesa Amalie Smith e ao seu próximo livro “Et hjerte i Alt” (algo como “Um coração em tudo”), realçando a colagem de textos escritos ao longo de 10 anos e que se estabelecem no livro como uma “fita de Möbius”. A partir daí, Wöhlk propõe uma conexão entre o canibalismo brasileiro, abordado pela XXIV Bienal de São Paulo em 1998, com o método dinamarquês chamado “vandalismo”, manifestado pelo artista Asger Jorn na fundação do movimento “Instituto Escandinavo de Vandalismo Comparativo” (Scandinavian Institute of Comparative Vandalism – SISV) em 1961 (-1965). Neste âmbito, ela procura refletir sobre desconstrução e especulação como dois métodos artísticos e geradores de novas his(es)tórias.

Laurette, por sua vez, irá conversar com o público sobre a sua trajetória artística e o seu projeto mais recente, “Tropicalize me”, uma experiência que procura dissecar, através de diferentes pontos de vista, a noção de “trópico” e o acesso a este conceito por variadas circunstâncias e percepções. Iniciado em Bogotá em 2010, “Tropicalize me” consiste no artista solicitar a personalidades distintas do circuito artístico latino-americano uma lista de tarefas e ações a cumprir e que o “tropicalizem”. Lidando com a fantasia do exótico e sublinhando sua natureza descontínua, o projeto combina práticas conceituais com recursos “in situ” e revela uma ambiguidade nas comunidades artísticas contemporâneas que anseiam pela identificação com produções pós-ideológicas construídas socialmente e transformadas em commodities.

Esperamos vocês a partir das 19h30 no nosso novo endereço: Rua do Senado, 271 – Centro (sobrado azul e amarelo entre o Colégio Cruzeiro e a fábrica dos Biscoitos Globo). Entrada gratuita. Estacionamento 24 horas em frente ao local.

SOBRE OS CONVIDADOS

NINA WÖHLK vive e trabalha em Copenhague, Dinamarca. Desde 2012, trabalha como curadora independente e também na produção de conhecimento em campos expandidos da arte contemporânea. A sua pesquisa lida com a inseparabilidade que existe entre o trabalho de arte e o seu contexto. No momento, ela investiga práticas performativas na arte contemporânea e as suas relações com o pensamento discursivo emergente. Cultura indígena nórdica e trauma como experiência passada reincidente são temas que percorrem a sua pesquisa. Como curadora do triênio 2016-2018 da instituição de arte Læsø Kunsthals (localizada na pequena ilha de Læsø, no norte da Dinamarca), Wöhlk tem destacado o trabalho inovador e de vanguarda dos artistas dinamarqueses Per Kirkeby, Jørgen Haugen Sørensen e Asger Jorn, através de exposições individuais que estão se ramificando em muitos contextos e situações diferentes, tornando estes artistas relevantes e atraentes novamente. Em 2018, ela irá organizar uma exposição com Asger Jorn, membro fundador dos movimentos Situationist Ideale, CoBRA e Bauhuas Imaginiste e também do Scandinavian Institute for Comparative Vandalism – este último enfatizado na sua próxima exposição, que irá reunir artistas contemporâneos envolvidos em diálogos com o legado das obras de arte, teorias e idéias de Jorn. A sua residência na Despina conta com o apoio da Danish Arts Foundation e Knud Højgaards Fund. Mais informações: www.ninawoehlk.dk

MATTHIEU LAURETTE vive e trabalha em Paris, França. Desde os anos 90, atua como um artista multimídia e está entre os precursores de estratégias que afirmam o virtual e as redes como ferramentas artísticas efetivas. Seu trabalho utiliza estereótipos, modelos e processos emprestados da mídia e em grande parte das ideias em torno da “Sociedade do Espetáculo”. Sua prática questiona diretamente a relação entre arte e vida, valor e economia. “Tropicalize me”, seu mais recente projeto, está centrado na pessoa artística em si e registra ações por meio de certificados, fotografias e mídias sociais. Suas obras mais conhecidas são “Apparitions”(1993), “Produits Remboursés” (1991-2001), “Citizenship Project” (1996) e “El Gran Trueque” (2000). Já expôs no Centro Pompidou de Paris, no Museu Guggenheim de Nova York, na Bienal de Veneza, entre outros. Laurette é um artista premiado pelo programa Institut Français Hors les Murs e seu projeto conta com o apoio da Fondation Nationale des Arts Graphiques et Plastiques. Mais informações: www.laurette.net

SERVIÇO
Conversa com Nina Wöhlk e Matthieu Laurette, com a mediação do curador Pablo León de la Barra*
Quando: terça-feira, 30 de janeiro
Horário: 19h30
Local: Despina
Rua do Senado, 271 – Sobrado
Centro – Rio de Janeiro, RJ
Entrada gratuita

* Informamos a todxs que as conversas serão conduzidas em inglês.

 

flyer_talk