Oficina Esculturas Comunitárias

A artista peruana Maga Berr está no Rio de Janeiro realizando um projeto de pesquisa artística dentro do Programa de Residências Despina. A sua participação nesta residência artística acontece graças a uma bolsa que ela recebeu na  Holanda, país onde vive e trabalha.

Sua pesquisa investiga as desigualdades sociais dentro dos sistemas urbanos de habitação e planejamento urbano. O desenvolvimento do projeto se dá a partir de entrevistas com  pessoas afetadas positiva ou negativamente por essa situação de desigualdade urbana e também a partir da produção de trabalhos esculturais que pretendem desafiar este problema de alguma forma.

A artista está organizando uma oficina para o dia 6 de julho (sábado), das 10 às 18 horas, na Despina (que fica na Rua do Senado 27 – Centro).

Será um momento para refletir sobre as diferentes realidades de luta de grupos de diversas comunidades. Será também um momento para capturar essas reflexões e sonhos do futuro em esculturas ou outros objetos de arte.

A oficina é voltada para um grupo diversificado de pessoas com experiência em luta para conseguir uma moradia digna. Os participantes devem viver em comunidades vulneráveis da cidade.

Alguns materiais relevantes para a oficina serão utilizados. Serão oferecidos argila, madeira, ferro e materiais reciclados para a construção das obras. Os participantes poderão trazer objetos que simbolizam sua luta e sonhos para incluir em suas produções. O diálogo que ocorre entre pessoas de diferentes comunidades será uma inspiração para a construção de esculturas. Durante a oficina, Maga Berr irá compartilhar seus conhecimentos artísticos, além de mediar as trocas e diálogos entre os participantes.

As obras desenvolvidas durante a oficina serão expostas no último final de semana de julho na Despina, durante evento de ateliês abertos (Senado Tomado). As mesmas obras poderão ser levadas às suas respectivas comunidades no final de julho (entre os dias 29-31). Importante lembrar que todos os trabalhos serão exibidos no espaço com o nome do autor(a).

Cada participante da oficina receberá uma bolsa-auxílio no valor de 50 reais.

Você e sua comunidade são convidados(as) e bem vindos(as)!

Vagas limitadas a 12 participantes!

Para garantir o preenchimento das vagas, cada interessado deve confirmar a sua participação pelos próximos 10 dias enviando um whatsapp para o número 00310618246012 informando o seu interesse em participar + nome completo e endereço. Ou um email direto para magaberr0000@gmail.com com o título “Inscrição Oficina Despina” + nome completo e endereço.

Mais informações sobre a artista e sua trajetória
www.magaberr.net
http://despina.org/maga-berr/

RESIDÊNCIA CORPOS ESTRANHOS 2019

“Corpos Estranhos: o Rio de Janeiro continua lindo e opressor” é um projeto de formação e suporte no campo das artes e do ativismo estético-político desenhado para promover a visibilidade, capacitação e auto-representação de jovens artistas em condições de vulnerabilidade, entre elas pessoas trans, não binárias, indígenas e negras.

Este projeto foi concebido como uma reação ao assassinato da artista Matheusa Passareli e a partir da nossa permanente indignação diante da violência contra corpos historicamente submetidos a violações de direitos e condições precárias.

Durante o mês de agosto de 2019, o espaço da Despina irá funcionar como um centro de convivência e ativação coletiva, com um programa de residências e uma agenda pública que inclui cineclube, diálogos e oficinas.

CONVOCATÓRIA PARA O PROGRAMA DE RESIDÊNCIAS

Procuramos artistas com diversidade de corpos, subjetividades e práticas que se proponham a mediar sentidos e interlocuções com o público. Intencionamos construir dispositivos de levante para a criação de novos mundos e auto afirmação das potências dissonantes. Serão selecionadxs 4 (quatro) artistas que vivem no Rio de Janeiro. O comitê de seleção irá analisar a afinidade das propostas com o conceito do projeto.

O PROGRAMA OFERECE

  • Ateliê coletivo
  • Suporte curatorial (encontros individuais e em grupo)
  • Encontros semanais para acompanhamento de projetos
  • Suporte administrativo e logístico
  • Bolsa de participação no valor de R$1.500 (mil e quinhentos reais) por artista
  • Verba para produção no valor de R$ 500 (quinhentos reais) por artista
  • Mostra final para apresentar os trabalhos e pesquisas desenvolvidos pelxs artistas durante a residência


BAIXE AQUI O EDITAL DE INSCRIÇÃO E VEJA COMO PARTICIPAR.

INSCRIÇÕES ENCERRADAS EM 22.05.2019

O RESULTADO DA SELEÇÃO SERÁ INFORMADO NA PRIMEIRA SEMANA DE JULHO!

Este projeto foi concebido pela Despina em colaboração com Gabe Passareli. É financiado através de uma doação organizada por Alexander e Chantal Maljers-van Erven Dorens em homenagem à Matheusa Passareli, que participou em 2017 do projeto Bison Caravan Brasil, coordenado por Chantal.

Lara Lima

Lara Lima

Vive e trabalha no Rio de Janeiro. Graduada em Indumentária pela Escola de Belas Artes da UFRJ e pós-graduada em Metodologia do Ensino das Artes pela UNICESUMAR, sua formação inclui cursos em fotomontagem, foto-jornalismo, gravura e outros meios no Ateliê da Imagem e na EAV do Parque Lage. Atua como artista e ativista na cidade onde mora.

Por meio da fotografia, do vídeo e outros meios, realiza trabalhos autorais e registra o processo de lutas em curso na cidade, conflitos que aparecem refletidos diretamente em seu trabalho. O uso da arte como ferramenta pedagógica e terapêutica também é seu objeto de estudo. Facilitou oficinas lúdicas de vídeo-arte e animação para jovens e crianças da Baixada Fluminense e hoje desenvolve uma pesquisa sobre o lugar da mulher no mundo das artes.

Mais informações
https://www.flickr.com/photos/lara-lima/
https://www.instagram.com/laralimaf/
https://vimeo.com/laralima

Seleção de trabalhos (navegue pelas setas na horizontal)

Daniel Frickmann

Daniel Frickmann

Vive trabalha no Rio de Janeiro, RJ. É formado em Design de Comunicação Visual pela PUC-Rio (2016), com bolsa de graduação sanduíche na Central Saint Martins (Londres, Reino Unido), em 2015.

Seu trabalho consiste em uma prática de desenho de observação, utilizado tanto para a criação de obras em pintura, quanto em ilustrações para peças de design e arte editorial.

No seu estudo mais recente, cria uma série feita a partir de imagens de acidentes automotivos, noticiados em jornais brasileiros. As obras são todas feitas em pintura acrílica, e constrói um exercício de observação de fotografias e imagens do cotidiano.

Hoje divide seu tempo com uma produção autoral de desenho e pintura, além do trabalho com design de estampas para marcas nacionais.

Mais informações
Website: www.danielfrickmann.com
Instagram: @danielfrickmann

Seleção de trabalhos (navegue pelas setas na horizontal)

Fernanda Andrade

Fernanda Andrade

Nasceu em Salvador, BA. Vive e trabalha no Rio de Janeiro, RJ. Bacharel em Pintura pela Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), sua formação inclui cursos de artes visuais e design gráfico, na Rietveld Academie e na Koninkelijk Academie voor Beeldende Kunsten, na Holanda; e na EAV Parque Lage no Rio de Janeiro. Sua experiência adicional inclui o trabalho com design gráfico desde 2008, com oficinas de arte e assistências para diversos artistas.

Partindo de ações como apropriação, intervenção e deslocamento, sua prática artística se concentra na criação de sutis tensões entre familiaridade e estranhamento para provocar ruídos em leituras domesticadas sobre o comum e cotidiano.

Deslocamento (2013) foi título de sua exposição individual na Galeria Macunaíma da EBA/UFRJ. Participou de diversas exposições coletivas, dentre as quais destacam-se DISSECADA, com curadoria de Keyna Eleison na Galeria Marquês 456; Escrevo para me percorrer (2018), com curadoria de André Vechi e Rafael Amorim no Centro Cultural da Justiça Federal; Pela Estrada e Fora (2017), com curadoria de Ricardo Basbaum e Danillo Villa na Galeria da Universidade Estadual de Londrina e Depois do Futuro (2016), com curadoria de Daniela Labra no Parque Lage.

Mais informações
Website: www.cargocollective.com/fernandaandrade

 

Seleção de trabalhos (navegue pelas setas na horizontal)

 

Kika Diniz

Kika Diniz

Vive e trabalha no Rio de Janeiro, RJ. Trabalha com pintura e fotografia desde 2013 e atualmente cursa o programa de mestrado em Estudos Contemporâneos das Artes da UFF na área de processos artísticos.

Sua pesquisa está focada predominantemente na desidentificação das imagens de mulheres produzidas para consumo em massa (como a pornografia e as imagens da indústria da moda), pensando possíveis estratégias de subversão da relação entre espectador e imagem e da representação da mulher nestas mídias.

 

 

Seleção de trabalhos (navegue pelas setas na horizontal)

Marrytsa Melo

Marrytsa Melo

Nasceu em Niterói, RJ. Vive e trabalha no Rio de Janeiro, RJ. Artista visual, educadora e pesquisadora. Mestre em Estudos Contemporâneos das Artes pela Universidade Federal Fluminense (2015). É fundadora e editora da nano editora e cofundadora do laboratório de arte, ciência e tecnologia pequenoLAB. Investiga o corpo e o espaço através de diversos meios e métodos, buscando dialogar com múltiplos suportes analógicos e digitais.

Mais informações
Website: www.marrytsa.com

 

Seleção de trabalhos (navegue pelas setas na horizontal)

 

Marcela Falci

Marcela Falci

Nasceu em Belo Horizonte, Minas Gerais. Vive e trabalha no Rio de Janeiro, RJ. Trabalhou como modelo por 15 anos agenciada pela Ford Models Brasil. Bacharel em Artes Cênicas pela Escola de Artes Célia Helena em São Paulo, SP. Fez cursos na Escola de Artes Visuais (EAV) do Parque Lage com Luiza Baldan, Denise Cathilina, Franz Manata e Charles Watson.

Na sua prática, que mistura fotografia, vídeo e performance, Falci investiga os padrões femininos de corpo ideal proliferados através da cultura do consumo de imagens na sociedade contemporânea.  A subjetividade é reduzida à mera aparência dos corpos – “sou aquela imagem que escolho mostrar para o mundo nas plataformas virtuais”. A identidade é construída, então, num espaço fluido entre o que é real e artificial.

Mais informações
Website: mvfalci.myportfolio.com
Instagram: instagram.com/mvfalci


Seleção de trabalhos
(navegue pelas setas na horizontal)

Prêmio Foco Bradesco Art Rio anuncia os três artistas selecionados da edição 2018

O Prêmio FOCO Bradesco ArtRio, que chegou à sua sexta edição, apresentou os artistas selecionados em 2018: Aline Xavier, Ana Hupe e Paul Setúbal. Os três irão receber como prêmio a participação em residências artísticas em reconhecidas instituições nacionais e internacionais. Os artistas também expuseram seus trabalhos em um stand especial na ArtRio deste ano.

A premiação dos artistas aconteceu no último dia 27 de setembro, durante a feira de arte na Marina da Glória, Rio de Janeiro. Os três receberam bolsas para se dedicarem exclusivamente às suas pesquisas durante os períodos de residência.

As residências do Prêmio FOCO Bradesco ArtRio em 2018 são:

  • Rio de Janeiro – Residência Despina
  • Salvador – Residência SACATAR
  • Havana (Cuba) – Residência Artista x Artista

A seleção dos vencedores é feita por um Comitê Curatorial independente com a direção do curador do Prêmio, Bernardo Mosqueira, e representantes de cada uma das instituições parceiras.

O artista goiano Paul Setúbal foi escolhido para participar do nosso programa de residências em 2019, em data a ser confirmada. A sua pesquisa se desenvolve por meio de múltiplas linguagens, como pintura, desenho, objeto, vídeo, fotografia, instalações e performances. Sua prática tem como eixo as problemáticas do corpo na sociedade contemporânea, seu uso, controle, relações de abuso e poder. Seja muito bem-vindo à Despina, Paul!

paul_setubal_low

Da esquerda para a direita, Bernardo Mosqueira (Curador do Prêmio Foco Bradesco ArtRio), Consuelo Bassanesi (Diretora da Despina) e Paul Setúbal (artista goiano premiado nesta edição de 2018) durante cerimônia de premiação na Marina da Glória (27.09.2018).

Residência “Corpos Abertos” (Open Bodies)

Corpos Abertos (Open Bodies) é um programa de residências artísticas concebido em conjunto pela Despina e pela The Fruitmarket Gallery, com o apoio do British Council e da Creative Scotland.  O programa compreende uma residência com duração de 1 mês, que aconteceu na Despina, no Rio de Janeiro, em setembro de 2018, reunindo artistas locais e da Escócia que trabalham com performance e cujas práticas envolvem gênero ou sexualidades. Neste período, _s artistas selecionad_s participaram de uma série de eventos e atividades, como conversas, oficinas e compartilhamento de processos e experiências com o público.

 

Crédito da Foto
Denise Adams
(Registro da performance “A Vida se Impõe”, de Mariela Scafati – Arte e Ativismo na América Latina, Despina, 2017)

 

combo_partners_openbodies